|   Jornal da Ordem Edição 3.912 - Editado em Porto Alegre em 08.08.2022 pela Comunicação Social da OAB/RS
|   Art. 133 - O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. Constituição Federal, 1988
NOTÍCIA

09.08.21  |  Trabalhista   

Gestor comercial tem vínculo de trabalho reconhecido

A 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho de Goiás (TRT-18) manteve o reconhecimento de vínculo empregatício entre um gestor comercial e uma distribuidora de diesel em Goiás. A decisão, unânime, admitiu a existência de prestação de trabalho por pessoa física, de forma pessoal, não eventual, sob subordinação e com onerosidade. O relator, desembargador Platon de Azevedo Filho, entendeu que a empresa não comprovou a autonomia do trabalhador e manteve a sentença do Juízo da 5ª Vara do Trabalho de Goiânia.

No recurso, a distribuidora pretendia reverter a condenação decorrente do vínculo empregatício. Alegou que a relação existente entre as partes era de natureza autônoma, sem horário ou local certo para ser cumprida, e sem controle por parte da empresa. Afirmou que as provas orais comprovariam a tese de ausência dos pressupostos para o reconhecimento da relação de emprego.

O desembargador Platon de Azevedo Filho destacou que para a formação da relação de emprego é necessária a associação de cinco fatos descritos nos artigos 2º e 3º da CLT, que correspondem à prestação de trabalho por pessoa física, com pessoalidade, de forma não eventual, sob subordinação e com onerosidade. “A combinação desses requisitos é o que distingue o vínculo de emprego das demais relações de trabalho”, disse.

O relator explicou que a empresa admitiu a prestação de serviços na forma autônoma. Todavia, observou o desembargador, a distribuidora deveria ter comprovado esta modalidade de contrato e não conseguiu. Platon de Azevedo explicou que as declarações das testemunhas levadas a juízo pela empresa demonstraram a pessoalidade, a não eventualidade, a onerosidade e a subordinação do contrato de trabalho.

Sobre a autonomia, o relator destacou que a execução do trabalho era dirigida e controlada pelo superior hierárquico, a quem rotineiramente o gestor prestava contas e apresentava relatórios sobre o que estava fazendo. “Ressalte-se que a ausência de autonomia no modo da prestação dos serviços é o aspecto crucial indicativo do requisito subordinação”, afirmou Platon de Azevedo.

Nesse contexto, o desembargador negou provimento ao recurso e manteve a sentença por entender que havia uma legítima relação de emprego, assegurando-se ao gestor comercial todos os direitos dela decorrentes.

Processo: 0011299-35.2020.5.18.0005

Fonte: TRT18

BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Flickr
Instagram
Facebook
Twitter
(51) 3287.1800
Redação JO: Rua Washington Luiz, 1110, 13º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS   |   [email protected]
© Copyright 2022 Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RS    |    Desenvolvido por Desize

ACESSAR A CONTA


OABRS:   *
Senha:   *
Esqueci minha senha  |  Novo cadastro